Google+ Followers

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Amor e seu Tempo

Amor e seu tempo







Amor é privilégio de maduros

estendidos na mais estreita cama,

que se torna a mais larga e mais relvosa,

roçando, em cada poro, o céu do corpo.





É isto, amor: o ganho não previsto,

o prêmio subterrâneo e coruscante,

leitura de relâmpago cifrado,

que, decifrado, nada mais existe





valendo a pena e o preço do terrestre,

salvo o minuto de ouro no relógio

minúsculo, vibrando no crepúsculo.





Amor é o que se aprende no limite,

depois de se arquivar toda a ciência

herdada, ouvida. Amor começa tarde.





Carlos Drummond de Andrade
Foto de Tekin

Amigos e suas.....ARTES

TOMO I



"DUAS FLORES BROTARAM DE TERRA INSANA E CINZA

UMA VIRIA A SER AKOT CHEIA DE CANÇÕES E FEITIÇOS

OUTRA PLENA DE POEMAS OCULTOS NANÃ, EM BERÇO DORMIA

CRESCERAM SOB VERDADES OPACAS LIÇÕES FALACIOSAS

A PRIMEIRA, A TERRA QUIZ ABORTAR SEMENTE MULHER

E NUMA MADRUGADA QUANDO PLANOS VIS ESTAVAM EM CURSO

BENDITOS PARA MÃE, A PÉRFIDA MORTE DO BROTO PRIMEIRO

PARA A TERRA MÃE MEDIOCRE GERADOR

O TOSCO SOL DISSE - NÃO À MORTE!

E O SOL VENDEU SEU TEMPO

SE ATIROU SOBRE UM INFINDO MAR AMARO MAR, AMARGO MAR

E A SEMENTE ESCAPOU ILESA, PARA CRESCER

ASSIM AMBAS MEDRARAM E A TERRA MEDIOCRE PRENDEU O SOL

QUE SE SUBMETEU ENQUANTO A TERRA SE FORMAVA

E TECIA A TRAMA DO SEU EGOÍSMO

SEM SE PREOCUPAR COM AS DUAS FLORES

ENTÃO O SOL DISSE SEU SEGUNDO NÃO PARA A TACANHA TERRA

E SE DISTANCIOU FICANDO PRESO APENAS PELAS FLORES, DUAS VIDAS

MAS APESAR DE DISTANTE NUNCA ABANDONOU ESSAS FLORES

ENTÃO A TERRA MAQUIAVÉLICAMENTE ECLIPSOU O SOL

COM VERSÕES QUE CAMUFLASSEM SEU ATO ALIENANTE

UM SEQUESTRO DO PASSADO..."
 
Euripedes Gomes
Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire

Show

LiVersos


*Liversos



Enquanto

existirem

borboletas

voando em liberdade...



meus versos,

não aceitarão grilhões.



Marçal Filho

Itabira MG

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Permanecer

É urgente o amor.

É urgente um barco no mar.



É urgente destruir certas palavras,

ódio, solidão e crueldade,

alguns lamentos,

muitas espadas.



É urgente inventar alegria,

multiplicar os beijos, as searas,

é urgente descobrir rosas e rios

e manhãs claras.



Cai o silêncio nos ombros e a luz

impura, até doer.

É urgente o amor, é urgente

permanecer.



Eugénio de Andrade
Foto de Carla Freire

III Agosto das Letras

Foto de Carla Freire



Da Secom-JP



Oficinas, exibição de filmes, mesas-redondas, lançamento de livros e shows musicais fazem parte da programação do III Agosto das Letras, evento literário que começa nesta sexta-feira (27), com abertura oficial às 17h, no Ponto de Cem Réis, e se estende até domingo (29), em mais dois locais – Casarão 34 e Sala Funjope.



Na edição deste ano, os homenageados serão os escritores Jomard Muniz de Brito e Geraldo Maciel (in memorian), além do professor de Literatura Antônio Arcela. A realização é da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), por meio da Divisão de Literatura, Editoração e Biblioteca.



Entre os convidados estão o compositor, cantor e escritor gaúcho Vitor Ramil e o romancista baiano Aleilton Fonseca. Durante os três dias de evento, a programação começa às 14h, com as oficinas, no Casarão 34, e no final da tarde e à noite, haverá mesas-redondas e mostras de curta-metragens, na Sala Funjope. Também no mesmo período, acontece a feira de livros, em stands armados no Ponto de Cem Réis, mesmo local onde serão realizados lançamentos de obras literárias e shows musicais.



O objetivo do Agosto das Letras é aproximar editores, produtores, autores e leitores. O evento tem como base o lúdico, o pedagógico e a política editorial, já que, por um lado, a iniciativa forma leitores e, por outro, amplia o mercado editorial na cidade. As atividades terão tanto um cunho artístico-cultural como acadêmico, o que faz o III Agosto das Letras ter um caráter multidisciplinar, com shows musicais e mostra de cinema sempre relacionados à literatura como conteúdo.



A ideia é não apenas apontar possíveis soluções para as carências do setor, mas principalmente permitir um resgate aos valores consagrados, além de mostrar o que está acontecendo na cena cultural do momento. O evento cria uma referência de alcance mais eficaz com o autor local e com a cena contemporânea nacional. A intenção é inserir a sociedade nessa discussão sobre a construção autoral.

Dia 27 – Sexta


Oficina: Livro artesanal de papelão com Dulcinéia Catadora

Horário: 14h

Local: Casarão 34



Mostra de Curtas - Literatura em foco

Horário: 17h30

Local: Ponto de Cem Réis



Mesa Redonda: Caminho das pedras: autores x editores

Horário: 17h

Local: Sala Funjope (R.Duque de Caxias, 352 – Centro)

Participantes:

Henrique Magalhães (PB)

Raimundo Carrero (PE)

Raimundo Gadelha (RJ)

Mediador: Sérgio de Castro Pinto (PB)



Lançamento de Livro

Coleção Novos Escritos - Cordel (PB)

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 19h30



Show musical - Xisto Medeiros (lançamento do disco Prana)

Local: Pça. Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 20h30


Dia 28 - Sábado




Oficina: A arte do Conto - com Clube do Conto

Horário: 14h

Local: Casarão 34



Cine Clube Casarão 34 (Ou Ponto de Cem Réis)

Mostra de Curtas - Literatura em foco

Horário: 17h30

Local: Ponto de Cem Réis



Mesa Redonda 1: Circulação do livro - ou dez maneiras de atrair leitores

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 17h

Participantes:

Maria Valéria Rezende (PB)

Rinaldo de Fernandes (PB)

Pedro Salgueiro (CE)

(Grupo Estilingues) (SP)

Mediador: Antônio Mariano (PB)



Mesa Redonda 2: Literatura e novas tecnologias

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 19h

Participantes:

Edson Cruz (SP)

Marcelino Freire (PE)

Amador Ribeiro Neto (PB)

Mediador: Linaldo Guedes (PB)



Lançamento de Livros

O que é poesia?

Autor: Edson Cruz (SP)

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 20h30



Show musical

Victor Ramil (RS)

Local: Pça. Vidal de Negreiros (Ponto de Cém Réis)

Horário: 21h

Dia 29 - Domingo




Oficina: Poesia Visual com Constança Lucas

Local: Casarão 34

Horário: 14h



Performance teatral

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 16h



Cine Clube Casarão 34

Local: Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 17h30

Mostra de Curtas - Literatura em foco



Mesa Redonda 1: Bom de ler: a crítica e a paixão

Local: Sala Funjope (R. Duque de Caxias, 352 – Centro)

Horário: 17h

Participantes:

Hildeberto Barbosa (PB)

Sônia Ramalho (PB)

Alfredo Monte (MG)

Aleiton Fonseca (BA)

Mediador: Ronaldo Monte (PB)



Mesa Redonda 2: Literatura e adaptações

Local: Sala Funjope (R. Duque de Caxias, 352 – Centro)

Horário: 19h

Participantes:

João Batista de Brito (PB)

Vitor Ramil (RS)

Wellington Pereira (PB)

Mediador: Renato Félix (PB)



Homenagens

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 19h30

Homenageados:

Antonio Arcela (com integrantes da Oficina Literária)

Geraldo Maciel

Jomard Muniz de Brito

Lançamento de Livros

Local: Pça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)

Horário: 20h45

Bruno Gaudêncio (PB)

João Matias de Oliveira (PB)

Recital

André Cananéa


Do Jornal da Paraíba



Professor da Escola de Música da UFRN, depois de ter passado pela Sinfônica Jovem da Paraíba e pela Orquestra Sinfônica do RN, o pianista paraibano Guilherme Rodrigues divide o palco do cine-teatro Bangüê nesta sexta-feira (27) com o tenor suíço Valentin Gloor.

A apresentação está marcada para as 20 horas e a entrada é gratuita.

Vencedor do prêmio “Excelência em performance” pela Universidade de Música e Artes Dramáticas de Graz, na Áustria, Valentin Gloor já se apresentou para plateias na Coreia e China e chegou a ensinar, por três anos, na UFBA.




Juntos vão mostrar um repertório baseado em canções dos brasileiros Claudio Santoro (1919-1989) e Ernst Widmer (1927-1990) e dos suíços Othmar Schoeck (1886-1957) e Iris Szeghy (hoje com 54 anos).

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Há Lugares....ASSIM

Praia do Patacho / Alagoas / Brasil

Miauuuuu

Foto de Carla Freire

Sabores da Lusofonia


Filetes com Manga - (Moçambique)

Ingredientes:

250g de filetes de pescada (ou outro peixe); 1 manga, farinha q.b.;leite; azeite; óleo ou manteiga para fritar; alho picado; sal; pimenta; sumo de limão; 1 cálice de Porto seco; 1 colher de café de mostarda antiga (ou outra).

Preparação:

1 - Tempere os filetes com sal e pimenta, alho picado, salpique-os com azeite, sumo de 1/2 limão e leite.

2 - Retire-os desta marinada, polvilhe-os com farinha, e frite-os em manteiga clarificada (ou numa mistura de óleo e manteiga) . Reserve-os mantendo-os quentes

3 - Descasque a manga, corte metade em fatia para decorar e pique a outra metade.

4 - Salteie a manga picada na frideira, onde fritou os filetes, regue com o Porto, deixe ferver até obter molho espesso e adicione-lhe a mostarda.

5 - Disponha os filetes no prato, decore com a manga e verta o molho sobre os filetes

6 - Acompanhe os filetes com arroz de coco e mucuane

Mulheres do Mundo


Africana – Foto de Amanda Jones

Poesia

A Menina e a Casa



Minha Sonia

Minha Sonia

Minha Soninha Maria

Nesta casa

Neste mato

Quero ver Sonia crescer.

A casa é cheia de livro

O mato é cheio de bicho

Os livros contam histórias

Os bichos contam também

Mesmo as mesas, mesmo as plantas

Os retratos dos vovós

As panelas da cozinha

Mangueiras e coisas velhas

Têm boca falam também

Dizem segredos bonitos

Que os meninos

Que os poetas

Ouvem ninguém sabe como.

Quero ver Sonia Maria

Conversando com as galinhas

Com o gato

Com os passarinhos

Com a cadeira de balanço

Com o rio que passa perto

Preguiçoso dando voltas

Sem pressa de ir pro mar

Com as estrelas com as palmeiras

Com as cigarras dos bambus

Com os pingos d’água de chuva

E mesmo com os cururus

Com os livros cheios de histórias

Com os almanaques

Com os quadros

E com a melhor das mamães.

Gilberto Freyre

Aprendi


Aprendi a aceitar o inevitável...

A receber as críticas dos que mais erram...

A sorrir para os inimigos e a perdoá-los...

A chorar sozinha,pois as lágrimas borram a felicidade

dos outros... Só não aprendi... A ser fria...

Deixar de olhar o céu... Deixar de sonhar!

Sou feliz ,quero ser feliz , quero fazer sempre alguem

feliz este é o grande segredo.

domingo, 15 de agosto de 2010

Cartoon da Semana

Cartoon de Armando Salas

Leis da Espiritualidade

Na Índia, são ensinadas as "quatro leis da espiritualidade":



A primeira diz: "A pessoa que vem é a pessoa certa".

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.



A segunda lei diz: "Aconteceu a única coisa que poderia teracontecido".

Nada, nada absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum "se eu tivesse feito tal coisa..."

ou "aconteceu que um outro ...". Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.



A terceira diz: "Toda vez que você iniciar é o momento certo".

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.



E a quarta e última afirma: "Quando algo termina, ele termina".

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado!
 
Foto de Carla Freire/Brasil

Fim de Tarde

Foto de Carla Freire
Furadouro/Portugal
Verão 2009

Porto...meu OLHAR

Fotos de Carla Freire

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Amigos e suas .... ARTES

A SEMENTE


SOBRE UMA PEDRA

UMA SEMENTE AINDA INSISTE

EM GERMINAR



SOBRE UMA PEDRA

UMA SEMENTE AINDA INSISTE

RAMAR PELA TERRA



POR SOBRE O ASFALTO

SUBIR AS MONTANHAS

E OS EDIFÍCIOS MAIS ALTOS

chico viola

Kate MacDowell - a difícil relação Homem/Natureza


Na sua obra, a artista norte-americana Kate MacDowell apresenta um variado leque de temas que alternam entre a representação da figura humana em estados de angústia e situações em que o ser humano interage com a natureza. A artista afirma que as suas peças são a sua resposta aos problemas ecológicos do planeta, incluindo mudanças climáticas, poluição e comida geneticamente modificada, representando também mitos, a história da arte ou metáforas.



Um olhar atento sobre o Mundo e uma vasta experiência de trabalho em vários países, assim como a herança que a história ocidental do Renascimento e do Oriente lhe proporcionaram, fizeram com que MacDowell procurasse outras formas de tentar reconhecer as assimetrias entre dois mundos cada vez mais separados: o da natureza e o do homem.



Muitas das suas esculturas representam também animais com atributos antropomórficos, que vivem no ambiente pré-configurado que o ser humano lhes deu, como existem em parques zoológicos ou outros ambientes recriados. A escolha da porcelana deveu-se essencialmente ao contraste entre a delicadeza do material e as formas naturais.







Mais em: http://obviousmag.org/archives/2010/01/relacao_homem_natureza.html#ixzz0wGBRrzcs

Os mundos de fantasia de Jacek Yerka

Shareemail os mundos de fantasia de Jacek Yerka




Jacek Yerka é um Polaco com 55 anos que muito cedo começou a sua incursão pela área artística. Oriundo de uma família virada para as artes - ambos os pais frequentaram a Academia de Belas Artes - toda a sua infância esteve rodeado de materiais que cativaram a sua atenção para o desenho e pintura. As suas primeiras memórias de infância são unicamente esboços, cheiro de pinturas, tinta, papel e pincéis.



Mesmo antes de tornar oficial o legado de seus pais e enveredar por uma carreira na Academia, Yerka trilhou o seu caminho como um autodidacta. Influenciado pelos seus pais e pelas correntes modernas da Pintura - desde o impressionista ao abstracto - foi fortemente marcado por Cézanne e Klee.



Apesar das influências, as grandes fontes de inspiração de Yerka continuariam sempre a ser as lembranças de infância - os lugares, sentimentos, fragrâncias e as técnicas dos anos 50 - juntamente com uma imaginação que cedo se mostrou ter uma forte personalidade.



Conheçamos os mundos de fantasia de Jacek Yerka.





Mais em: http://obviousmag.org/archives/2008/01/os_mundos_de_fa.html#ixzz0wG6jQg66

Rússia - Arte Urbana

Russia - Arte Urbana 

Na Russia, onde o inverno é longo e pesado, devido às condições atmosféricas é por vezes extremamente difícil ver o sol, mantendo-se o mesmo tom cinzento durante vários dias. Aliado a isto, o cinzento da arquitectura, por vezes, também não ajuda, instalando-se um verdadeiro estado de depressão em muitas das pessoas aí residentes. Não vou falar de arquitectura, deixo essa tarefa para o Seven, mas trago-vos estas imagens pelo simples facto de que me agradaram dentro do conceito de arte urbana.


Mais em: http://obviousmag.org/archives/2007/01/russia_arte_urb_1.html#ixzz0wFre7lSU



sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Amigas e suas .... ARTES


FUCEI

NA BOSSA

NOVA

E O AMOR

ME DESCOBRIU



Riso Maria Dersu /S.Paulo/Brasil
Foto de Riso e Jorge Dersu

A Tatuagem do Ano

20 coisas que garotos devem saber......






1. Gostamos do seu sorriso, sorria mais.



2. Um beijo na bochecha é realmente um sim.



3. Queremos que vocês passem o braço a nossa volta, na rua e em todos os outros lugares.



4. Não nos importamos se você é o cara mais forte do mundo.



5. Tamanho não importa, então não precisa nos contar,combinado?



6. Não estamos sempre no nosso melhor estado. ja ouviu falar de tpm?



7. Seu cabelo de lado, fica melhor.



8. Estamos sempre abertas pra conversar, então pode ligar.



9. Não somos perfeitas, então saiba lidar (também).



10. Nós amamos surpresas.



11. As pequenas coisas são as mais significativas.



12. não é legal você falar mal da banda que gostamos.



13. Nem dos nossos amigos.



14. Xingar e brigar também não nos impressiona.



15. Não seja mal-educado para chamar nossa atenção.



16. Não fique falando quem é gostosa, porque isso não interessa.



17. Dá pra perceber quando vocês não estão escutando, então é melhor prestar atenção.



18. Quando reclamamos do frio, fazemos um convite para vocês chegarem mais perto.



19. Não precisa ficar diferente na frente dos amigos, eles vão entender.



20. Abraços são mais que abraços, às vezes.
 
(dos emails recebidos)
Foto de Mana/João Pessoa/Brasil

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Palavras Sábias


Ninguém é suficientemente perfeito,

que não possa aprender com o outro e,

ninguém é totalmente destruído de valores

que não possa ensinar algo ao seu irmão.



São Francisco de Assis
Foto de Carla Freire

Cartoon da Semana

Steve Breen

Nós....Brasileiros


"Nós, brasileiros, somos um povo em ser, impedido de sê-lo. Um povo mestiço na carne e no espírito, já que aqui a mestiçagem jamais foi crime ou pecado. Nela fomos feitos e ainda continuamos nos fazendo. Essa massa de nativos viveu por séculos sem consciência de si... Assim foi até se definir como uma nova identidade étnico-nacional, a de brasileiros",


DARCY RIBEIRO



"A mestiçagem unifica os homens separados pelos mitos raciais. A mestiçagem reúne sociedades divididas pelas místicas raciais e grupos inimigos. A mestiçagem reorganiza nações comprometidas em sua unidade e em seus destinos democráticos pelas superstições sociais",

GILBERTO FREYRE

Mãe Natureza

Mãe Natureza



Reverencio a Terra que me abriga

Que tal qual a mãe faz em seu útero...

Acolhendo, alimentando as sementes

E formando vidas...



Sou, filha da terra... Sou chão,

Sou rocha e deixo cravado

Em meu peito o amor verde esperança

Das matas que oxigenam o mundo.



Banho-me com águas cristalinas

Puras em gotas ou caindo em cachoeiras e

Que brotam da terra santa

Num pequenino olho d’água.



Cantam os pássaros que em revoada fazem

A sua dança Sobre os campos abertos

A procura da árvore... Do abrigo.

Da seiva que alimenta suas crias.



Reverencio ao homem do campo que acaricia

A terra fazendo brotar o alimento

Que faz saciar a fome, a sede, de um povo que

Por vezes que silencia a defesa da terra.



Reverencio a Terra que me abriga!



Ge Fazio

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Os Índios da Paraíba

Os índios da Paraíba






por Rodrigo de Azeredo Grünewald




Rodrigo de Azeredo Grünewald é professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Unidade Acadêmica de Ciências Sociais, Universidade Federal de Campina Grande; mestre e doutor em Antropologia Social pelo PPGAS/Museu Nacional/UFRJ.




Culturas que saem da invisibilidade



Os Potiguara constituem o único povo indígena oficialmente reconhecido no Estado da Paraíba. O registro de sua presença no litoral paraibano remonta aos primeiros anos do século XVI, quando ocupavam extensa faixa da costa entre Pernambuco e o Maranhão. Rapidamente inseridos no contexto da sociedade colonial açucareira, os Potiguara participaram de guerras coloniais, foram reunidos em missões católicas e passaram ainda por outras tentativas de assimilação. Na década de 1920, os Potiguara iniciaram contatos com o órgão federal indigenista (na época o Serviço de Proteção ao Índio) a fim de obter a intervenção do governo federal com relação a problemas territoriais.



Com uma população superior a 12.000 indivíduos, os Potiguara encontram-se atualmente distribuídos em 26 aldeias e nas áreas urbanas dos municípios de Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto, ocupando uma área total de 33.757 ha nestes municípios. Desta área, 21.238 ha foram homologados em 1991. Soma-se ainda, a TI Jacaré de São Domingos, com 5.032 ha, nos municípios de Marcação e Rio Tinto, cuja homologação se deu em 1993. Por fim, a TI Potiguara de Monte-Mór, com 7.487 ha, em Marcação e Rio Tinto, que está em processo de demarcação, em razão de conflitos com usinas de cana-de-acúcar e com a Companhia de Tecidos Rio Tinto. O Distrito Sanitário Especial Indígena Potiguara tem prestado assistência aos índios em todos esses contextos.

Com relação à organização política, as aldeias contam, cada uma, com um cacique ou representante, que atua como mediador entre a comunidade e os órgãos oficiais e setores comerciais e resolve ainda pequenos problemas locais. Além desses representantes das aldeias, existe um cacique-geral, que representa o grupo como um todo, principalmente perante os órgãos oficiais e a Justiça.



As principais atividades econômicas desenvolvidas são a pesca marítima e nos mangues, o extrativismo vegetal, a agricultura, a criação de animais em pequena escala, o plantio comercial de cana-de-açúcar (geralmente em terras arrendadas para usinas), a criação de camarões em viveiros, o assalariamento rural e urbano.



Em 2004, as comunidades indígenas Potiguara tinham acesso à educação em 29 escolas de ensino fundamental. Desse total, quatorze se localizavam no Município de Baía da Traição, sendo duas estaduais. Uma oferecia ensino médio. Doze no Município de Marcação, sendo uma estadual e três no Município de Rio Tinto, sendo duas estaduais. Há uma demanda e necessidade real pela formação específica dos professores indígenas Potiguara para o ensino fundamental II e para o ensino médio que oportunize a formação superior, desenvolvendo competências que lhes permitam estimular a capacidade de continuar aprendendo e também contribua para o processo de autodeterminação de seu povo e voltado à complexa realidade cultural em que vivem. Neste sentido, a Universidade Federal de Campina Grande (através do PROLIND/MEC/SeSu/Secad) tem elaborado, juntamente com a Organização dos Professores Indígenas Potiguara, um projeto de curso superior para os indígenas.

Bichinhos


Bichinhos

27º Salão de Animais

Exposição de cães, gatos, pássaros, peixes, roedores, animais e exóticos. Apresentações de agilidade, concurso "Meu Cão é Show!", corrida de hamsters e esquilos.



Data: 04/08/2010 a 08/08/2010



Local: Espaço Cultural José Lins do Rego - João Pessoa



Preço: R$ 4 (ingresso promocional)

João Pessoa faz 425 anos

Foto Gilberto Stuckert Filho

As comemorações do aniversário de 425 anos da Capital Paraibana começam na sexta-feira (30) e seguem até 5 de agosto, sempre a partir das 19h no Ponto de Cem Réis. O evento é realizado pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) , por meio de sua Fundação Cultural (Funjope). Até o último dia da festa, serão três atrações por noite, totalizando 21 shows apenas no palco principal. Além disso, também haverá um espaço dedicado para a cultura popular que acontecerá em horários alternativos.
Na noite de 4 de agosto, justamente na contagem regressiva para o aniversário dessa jovem senhora de 425 anos, as homenagens ficam por conta do Paralamas do Sucesso, que tem como um dos integrantes o paraibano Herbert Viana. O grupo dará às boas vindas ao dia seguinte que se anuncia, tão especial para esse povo do extremo oriental das américas. A data é a coroação de uma João Pessoa lindamente quatrocentona, que está no melhor de sua história.

03/08 (terça-feira)




Forró Zoar

Gracinha Teles

Nonatos


04/08 (quarta-feira)




Nayá

Unidade Móvel

Paralamas do Sucesso



05/08 (quinta-feira)



Léo Almeida

Omelete

Odair José

Assim vai o....MUNDO

Damien Glez

A ajuda aos mais pobres...não passa de promessa...

domingo, 1 de agosto de 2010

É Luxo Só


Rosa Passos/Brasil

Delícias Exóticas


RESTAURANTE CURRY


Jhinga masala



2 porções

20 min.



Ingredientes



250g de camarão rosa; 2 tomates; 1 cebola; 100g de creme de leite; 1 colher (chá) de garam masala; 1 colher (chá) de pimenta-do-reino; 1 colher (chá) de cominho; 1 colher (chá) de curry; 1/4 de limão; 1 pitada de coentro fresco; sal a gosto



Preparo



Frite a cebola, adicione os tomates e misture os temperos até dourar. Desligue o fogo quando ganhar textura de molho. Adicione o limão, o camarão e cozinhe por 5 minutos. Apague o fogo, acrescente o creme de leite, salpique o coentro fresco e sirva.

Batata-doce ao aroma de açafrão


Ingredientes:




(para quatro pessoas)

2 batatas-doces brancas

80 g de manteiga sem sal

flor-de-sal

açafrão

pimenta-do-reino branca

Preparo:



1. Em forno médio, asse as batatas com casca envoltas em papel-alumínio até que estejam macias (cerca de uma hora). Corte-as em cubos grandes.



2. Coloque uma folha de papel-alumínio em uma superfície lisa. Sobre ela, disponha metade da manteiga, as batatas, o restante da manteiga por cima e tempere com flor-de-sal. Salpique o açafrão.



3. Cubra com outra folha de papel-alumínio e feche as laterais, formando um envelope. Leve ao forno a 200C e asse até estufar o envelope.



4. Abra o envelope, disponha as batatas-doces em um prato fundo e regue-as com a manteiga derretida. Finalize com pimenta-do-reino moída.



5. Sirva as batatas acompanhadas de um contrafilé grelhado ou de outra carne de sua preferência.



Receita do Chef Raphael Durand Despirite/Brasil

Génios da Fotografia

Tracy Raver começou a fazer este tipo de arte fotografica com os bebês através de amigos e familiares que lhe pediam para registrar os momentos de seus pequenos. Como ela mesmo refere, são momentos únicos e ternos que filhos e pais passam nesta fase e acaba sendo uma forma de união bem mais do que fazer uma bela foto, é uma forma de participação. Logo que conhecemos o trabalho de Tracy, ficamos a pensar: como ela consegue estas poses, ambientes e situações para os bebês? Como eles ainda continuam dormindo tão "gostosamente" como se nada estivesse acontecendo ao redor deles? Lógico que Tracy não faz tudo sozinha. Além de ter sua equipe, tem a ajuda de sua maior colaboradora, sua irmã Kelly, e dos seus pais para o ninar dos pequenos anjos.



A técnica que Tracy utiliza é bem simples: aproveita a própria luz natural do ambiente para fotografar os bebês. A luz artificial faz com que se perca um pouco esta naturalidade do foco... Ela sempre pede para que os pais deixem seus bebês ou crianças muito a vontade pois o intuito é registrar esta espontaneidade que só elas sabem passar. Não adianta forçar a criança fazer uma pose ou marcar uma sessão em que ela não esteja afim de fazê-lo. Tudo tem que ser uma brincadeira para eles.



E o resultado é surpreendente. Fica um ar nostálgico com uma certa dose de romantismo. Parece que foram moldados a ficarem em certas posições, como se vida fosse tão simples como um pequeno cochilo. Acredito que é isso que fica bem visto neste trabalho, esta simplicidade da vida, uma vida em início, frágil e dependente no seu modo de ser. Acaba sendo uma terapia construtiva de muito amor para os pais e os profissionais que encaram esta arte.







Mais em: http://obviousmag.org/archives/2010/02/fotografias_deslumbrantes_de_bebes_-_tracy_raver.html#ixzz0vOD0B3wC

As Comidas do Nordeste



Poeta Pernambucano
Carlos Cavalcanti



No sertão nós comemos tapioca,

jerimum, feijão-gordo e milho assado,

maxixada e farofa com guisado,

carne seca moída na paçoca,

milho quente dançando na pipoca,

o tutano a brilhar sobre o pirão,

mamão verde no falso camarão,

carne assada comida com angu,

café quente tomado com beiju

logo após de um gostoso rubacão



Saboroso cuscuz (ralando o milho)

e depois, borrifado em leite quente,

a comida legal de nossa gente,

as espigas ligadas pelo atilho.

Sobremesa crocante do sequilho,

mel de abelha por cima do cará,

a terrina esborrando munguzá,

no domingo a famosa panelada,

manhã cedo a tigela de umbuzada,

mel de furo, castanha e corrumbá.



Mariola, jabá e macaxeira,

o pirão degustado na buchada,

o sabor destacado da cocada,

água doce apanhada na biqueira,

goma pura e farinha sem crueira,

bode assado, e também raspa de queijo,

deixa a boca repleta de desejo

nessa vasta dieta do sertão

sem falar na panela de capão,

mesa farta a do nosso sertanejo.



A famosa galinha cabidela,

o gostoso feijão baião de dois,

onde a carne cozida com arroz

faz o cheiro emanar lá da panela.

A banana adoçada e com canela,

fava branca cozida e temperada,

jerimum machucado na coalhada,

sem deixar de comer queijo de coalho,

a batata assadinha no borralho

leite cru no curral de madrugada.



A farinha de milho no feijão,

a canjica e a pamonha no jantar,

bolo preto o melhor de paladar,

café forte batido no pilão,

charque assada e farofa de bolão,

o sabor dessa mesa é inconteste,

essa nossa dieta se reveste

das melhores riquezas naturais,

nossas frutas e nossos vegetais

são manjares na mesa do Nordeste

Foto de Ceci Avelino

Sabedoria


Eu não quero um príncipe, eu quero um homem que seja capaz de cativar meu coração sem eu ter que me esforçar para gostar dele.