Google+ Followers

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Meio Ambiente livre de Lixo

Meio Ambiente livre de Lixo


(autor desconhecido)

Um dia peguei um taxi para o aeroporto. Estávamos rodando na faixa certa, quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente.

O taxista pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!

O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente. Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigavel.

Indignado lhe perguntei: 'Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!'

Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo de "A Lei do Caminhão de Lixo."



Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Por isso não devemos tomar como pessoal. Pois não é nosso, então não é problema nosso!

Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, EM CASA, ou nas ruas. Fique sempre tranquilo... respire... E DEIXE O LIXEIRO PASSAR.

O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragarem o seu dia. Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustações.

Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem.

A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe!



FILTRE O QUE É BOM E EDIFICANTE PARA SUA ALMA.



Tenha um bom dia, e uma Ótima Semana, Livre de lixo!

Texto enviado por email por um amigo
Fotografia de Carla Freire

domingo, 11 de abril de 2010

Primavera

Ode - primavera III




Na primavera da alma quero um poema novo

No meu jardim quero uma poesia somente tua

E nos jardins do mundo dançaremos felizes

Nessa primavera



A alma azul nascerá para ser nosso anjo-guia

Anjo dos corpos de nossas almas todas azuis

Nessa primavera e para sempre.


Ana Dev'as Garjan
Foto de Carla Freire

Frases

Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira.

Che Guevara
Foto de Carla Freire/Portugal

FLORES

FLORES


Era preciso agradecer às flores

Terem guardado em si,

Límpida e pura,

Aquela promessa antiga

Duma manhã futura.

Sophia de Mello Breyner
Foto de Carla Freire

Casamento Perfumado

Queria certa donzela,

de olfacto bem apurado,

que o seu casamento fosse

de sempre o mais perfumado.

Seu nome era Rosa Branca,

Cravo Vermelho seu noivo

madrinha, D. Açucena,

padrinho, o senhor D. Goivo.

Sua grinalda enfeitou

com flores de laranjeira

e na sua mão levou

um ramo de erva cidreira.

Seus pajens, os Manjericos;

Violetas, suas aias,

seu pai, o senhor Junquilho

Madressilva em lindas saias.

Veio dizer a cozinheira

que ia tudo perfumar:

"Trago salsa e hortelã

para pôr no seu jantar.

Que belo aroma que dão

a canela e o coco;

para perfumar os bolos

vou juntar vinho do Porto.

A bela Erva-Luísa

veio para servir o chá;

como é toda perfumada

que belo jeito me dá.

Diga-me lá D. Rosa,

se mais perfumes deseja."

Haverá um casamento

que mais perfumado seja?
 
Foto de Carla Freire/Portugal

URIHI

Mandalas da URIHI

Acrílico sobre tela
Autora:Ana Mendina/Brasil

ESPERAR

ESPERAR


Valquíria Lins/João Pessoa/Paraíba/Brasil



Esperar que as nuvens cubram a parte escura

Que a ressaca do mar vomite suas enxaquecas

Que o lobo das estepes acorde do seu sono hibernal e de suas lendas

Que o vampiro hemofílico use descartáveis



Esperar que a chuva caia horizontal

Pois está verticalmente cansada!



Esperar que o Sol com sua saia dourada

Vista os despidos em trevas

E que Deus lá de cima

Jogue incenso na Terra.
 
Pintura de Marcos Paulo/Paraíba/Brasil

quinta-feira, 8 de abril de 2010

É o AMOR


É o Amor


Maria Bethânia

Composição: Zezé DiCamargo

Eu não vou negar que sou louco por você

Estou maluco pra lhe ver

Eu não vou negar

Eu não vou negar, sem você tudo é saudade

Você traz felicidade

Eu não vou negar

Eu não vou negar, você é meu doce mel, meu pedacinho de Céu

Eu não vou negar

Você é minha doce amada, minha alegria

Meu conto de fadas, minha fantasia

A paz que eu preciso pra sobreviver

Eu sou o seu apaixonado de alma transparente

Um louco alucinado meio inconsequente

Um caso complicado de se entender



É o amor

Que mexe com minha cabeça e me deixa assim

Que faz eu pensar em você e esquecer de mim

Que faz eu esquecer que a vida e feita pra viver

É o amor

Que veio como um tiro certo no meu coração

Que derrubou a base forte da minha paixão

E fez eu entender que a vida é nada sem você



Eu não vou negar, você é meu doce mel, meu pedacinho de céu

Eu não vou negar

Você é minha doce amada, minha alegria

Meu conto de fadas, minha fantasia

A paz que eu preciso pra sobreviver

Eu sou o seu apaixonado de alma transparente

Um louco alucinado meio inconsequente

Um caso complicado de se entender



É o amor

Que mexe com minha cabeça e me deixa assim

Que faz eu pensar em você e esquecer de mim

Que faz eu esquecer que a vida e feita pra viver

É o amor

Que veio como um tiro certo no meu coração

Que derrubou a base forte da minha paixão

E fez eu entender que a vida é nada sem você

Catástrofe

Catástrofe


Hoje olho um horizonte triste

Choro uma cachoeira de lama

Meu coração transborda lixo

E esse nó maltrata minh’alma



Hoje sou um carioca em desespero

Sou a criança que perdeu seus pais

Sou um pai procurando o filho

Um andarilho na imensidão do cais



Hoje, minha triste alma goteja sangue.



Marçal Filho

Itabira MG

08/04/2010

Quero um colo e uma toalhinha por favor...

Nada Igual

Nada Igual


Sei bem que é difícil

Esse amor mestiço do aço com a seda

A gente, se arranha, se rasga

Mas nunca que chega

São reinos distintos

São dois labirintos que não tem final

Que nunca se encontram

Às vezes se tocam... fazenda e metal

Me beija com vinho, se deita comigo

Desiste, me evita

A gente é tão triste

Mas nossa loucura até que é bonita

Nem tudo é só jogo

Nós dois, findo o fogo, carvão vegetal

Casal, caso sério

A flor com o minério... não há nada igual


Letra de uma musica de Rosa Passos
body painting de Craig Tracy

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Génios da Fotografia

As fotografias nunca mais foram as mesmas desde que Christophe Gilbert começou a trabalhar em fotografia.

Gilbert usa como ninguém o photophop, juntando às fotografias de alta qualidade bastante criatividade e um toque de humor. O resultado são imagens hiper-realistas, distorcidas pelo seu domínio da técnica. Mesmo que nunca tenha ouvido falar dele, decerto que já esbarrou com um das suas imagens na rede, pois são umas das mais reproduzidas.




Leia mais: http://obviousmag.org/archives/2010/02/christophe_gilbert_fotografia_criativa.html#ixzz0kSQDa92F

Só o AMOR constrói

Cartoon

Cartoon de Kurto

MEU BEM


Sinto vontade enorme

de me estirar no seu jardim

pousar em sua vida

engomar o seu cetim

encortinar o seu destino

pra te ter perto de mim




Assim como

Rio Niterói

Oiapoque ao Chui

se calor

te cobriria de rosas

se esfriasse

de agasalharia de beijos

e quando sem fim

O destino marcasse

te libertaria dos meus abraços

Riso Maria Dersu/S.Paulo/Brasil
Fotografia de Carla Freire/Portugal

Pensamentos

Enquanto houver um louco, um

poeta e um amante...

Haverá sonho, amor e fantasia.

E enquanto houver sonho, amor e fantasia

haverá esperança. Nada virá do nada!"


Shakespeare
Foto de Carla Freire/Portugal

domingo, 4 de abril de 2010

Meu Ébano

Alcione
Foto de Carla Freire

É!


Você um negão

De tirar o chapéu

Não posso dar mole

Senão você créu!

Me ganha na manha e baubau

Leva meu coração...



É!

Você é um ébano

Lábios de mel

Um príncipe negro

Feito a pincel

É só melanina

Cheirando à paixão...



É!

Será que eu caí

Na sua rede

Ainda não sei!

Sei não!

Mas tô achando

Que já dancei!

Na tentação da sua cor...



Pois é!

Me pego toda hora

Querendo te ver

Olhando pras estrelas

Pensando em você

Negão, eu tô com medo

Que isso seja amor....



Moleque levado

Sabor de pecado

Menino danado

Fiquei balançada

Confesso

Quase perco a fala

Com seu jeito

De me cortejar

Que nem mestre-sala...



Meu preto retinto

Malandro distinto

Será que é instinto

Mas quando te vejo

Enfeito meu beijo

Retoco o batom

A sensualidade

Da raça é um dom

É você, meu ébano

É tudo de bom!...

Luz e Cruz

Luz e Cruz



Valquíria Lins

Aleluia nas penumbras

Nas correntes de Prometeu

Nas dores do Calvário

Na lágrima do Judeu



No mítico, profano, sacro

Na rua do bairro meu

No regar das flores mortas

No domingo de apogeu



Perambulando fantasmas

De uma Semana Sagrada

Abutres picando Jesus



Açoites na madrugada

Judas a morrer na calçada

Delírios de Luz e Cruz.


João Pessoa, 04 de abril de 2010

Fotografia de Carla Freire/Portugal

VIDA

"PARA SE ESTAR SATISFEITO, ATIVO E SENTIR-SE JOVEM E FELIZ, É PRECISO NAMORAR A VIDA."

Amigas e suas .........ARTES


ARTE CIRCENSE


Saudade da cor preta do esmalte

do peito sangrando segredos

Saudade da cruz sedada de prata

cristal preso na ponta da vaca



Saudade é só uma cor que rola

nos olhos de um caminhar lento

no silêncio das novas janelas de vidro

que pouco abro aos ventos do quarto

Saudade de nunca perder a hora de lembrar você

de me virar nos teus braços e sem fuga me encantar



Saudade de quando tiras o meu ar e me

alivia do calor no sopro do som

assim com a mão, com o pé, sem chão

Saudade da espinha dos ossos da coluna nua

das imagens da arte circense

que benze, me benze, me benze.

Riso Maria Dersu /S.Paulo/Brasil
Fotografia de Carla Freire/Portugal

sábado, 3 de abril de 2010

Tome Música

http://www.youtube.com/watch?v=Ju7ZXZbbYTM&feature=PlayList&p=A514273424373571&playnext_from=PL&index=0&playnext=1

Clic no Link para ouvir Carly Simon no Youtube
depois volte!

Agostinho da Silva # Felicidade e infelicidade

Os felizes passam na vida como viajantes de trem que levassem toda a viagem dormindo; só gozam o trajecto os que se mantêm bem despertos para entender as duas coisas fundamentais do mundo: a implacabilidade, a cegueira, a inflexibilidade das leis mecânicas, que são bem as representantes do Fado, e cuja grandeza verdadeira só se pode sentir bem no desastre; é quando a catástrofe chega que a fatalidade se mede em tudo o que tem de divino, e foi pena que não fosse esta a lição essencial que tivéssemos tirado da tragédia grega; como pena foi que só tivéssemos olhado o fatalismo dos árabes pelo seu lado superficial.

Por outra parte, é igualmente na desgraça que se mede a outra grande força do mundo, a da liberdade do espírito, que permite julgar o valor moral no desastre e permite superar, pelo seu aproveitamento, o toque do fatal; não creio que Prometeu estivesse alguma vez verdadeiramente encadeado: talvez o estivesse antes ou depois da prisão; mas era realmente um espírito de liberdade e um portador de liberdade o que, agrilhoado a montanha, se sentiu mais livre ainda; porque podia consentir ou não no desastre, superá-lo ou não, ser alegre ou não. E este ser alegre não significa de modo algum a alegria daquele tipo americano de «Quebre uma perna e ria»; acho que eram muito mais alegres as pragas dos velhos soldados de Napoleão. No fundo é o seguinte: é necessário, ajudando a realizar o homem no que tem de melhor, que a mesma energia que se revelou pela física no mundo da extensão, se revele pelo espírito no mundo do pensamento e domine a primeira vaga de energia, como onda rolando sobre onda mais alto vai. E mais ainda: que pelo momento de infelicidade, o que não poderá nunca suceder no caso da felicidade, entenda o homem como as duas espécies ou os dois aspectos de energia se reúnem em Deus. Só por costume social deveremos desejar a alguém que seja feliz; às vezes por aquela piedade da fraqueza que leva a tomar crianças ao colo; só se deve desejar a alguém que se cumpra: e o cumprir-se inclui a desgraça e a sua superação.

de Agostinho da Silva

in “Textos e Ensaios Filosóficos”

Disse Agostinho da Silva: Ser intransigente com os outros não tem grande sentido; eles são o que podem ser e creio bem que seriam melhores se o pudessem !

O AMOR é......

Nas ruas de S.Paulo

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Páscoa Feliz

Cartoon

Palavras Sábias


Recuso-me a ficar triste. Sejamos alegres.


Quem não tiver medo de ficar alegre e experimentar

uma só vez sequer a alegria doida e profunda terá

o melhor de nossa verdade. Eu estou

apesar de tudo, oh, apesar de tudo,

estou sendo alegre neste instante

já que passa se eu não fixá-lo com palavras.

Estou sendo alegre neste mesmo instante

porque me recuso a ser vencida:

então eu amo. Como resposta.

(Clarice Lispector)
Foto de Carla Freire

Sexta Santa


A minha sexta é santa


A minha cara é tanta

do cheiro da maresia

É que nesse dia

eu só tinha sardinha

Festinha na casa

de farinha

Riso Maria Dersu /S.Paulo/Brasil
Fotografia de Carla Freire/Portugal

Monólogo de Orfeu

Monólogo de Orfeu
Vinicius de Moraes



Mulher mais adorada!
Agora que não estás,
deixa que rompa o meu peito em soluços
Te enrustiste em minha vida,
e cada hora que passa
É mais por que te amar
a hora derrama o seu óleo de amor em mim, amada.

E sabes de uma coisa?
Cada vez que o sofrimento vem,
essa vontade de estar perto, se longe
ou estar mais perto se perto
Que é que eu sei?
Este sentir-se fraco,
o peito extravasado
o mel correndo,
essa incapacidade de me sentir mais eu, Orfeu;
Tudo isso que é bem capaz
de confundir o espírito de um homem.

Nada disso tem importância
Quando tu chegas com essa charla antiga,
esse contentamento, esse corpo
E me dizes essas coisas
que me dão essa força, esse orgulho de rei.

Ah, minha Eurídice
Meu verso, meu silêncio, minha música.
Nunca fujas de mim.
Sem ti, sou nada.
Sou coisa sem razão, jogada, sou pedra rolada.
Orfeu menos Eurídice: coisa incompreensível!
A existência sem ti é como olhar para um relógio
Só com o ponteiro dos minutos.
Tu és a hora, és o que dá sentido
E direção ao tempo,
minha amiga mais querida!

Qual mãe, qual pai, qual nada!
A beleza da vida és tu, amada
Milhões amada! Ah! Criatura!
Quem poderia pensar que Orfeu,
Orfeu cujo violão é a vida da cidade
E cuja fala, como o vento à flor
Despetala as mulheres -
que ele, Orfeu,
Ficasse assim rendido aos teus encantos?

Mulata, pele escura, dente branco
Vai teu caminho
que eu vou te seguindo no pensamento
e aqui me deixo rente quando voltares,
pela lua cheia
Para os braços sem fim do teu amigo

Vai tua vida, pássaro contente
Vai tua vida que estarei contigo.