Google+ Followers

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Um Judeu conversando com Deus



Homem: Deus?
Deus: Sim?
Homem: Eu posso lhe perguntar algo?
Deus: Claro !
Homem: O que é um milhão de anos é para você?
Deus: Um segundo.
Homem: E um milhão de dólares?
Deus: Um centavo.
Homem: Deus, você pode me dar um centavo?
Deus: Espere um segundo

(Dos emails)

Soneto


SONETO DA FIDELIDADE

Vinícius de Morais

De tudo, meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor ( que tive ) :
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

CONTRA TEMPO


MUNDOS DIFERENTES
E MESMO ASSIM EU QUIS VOCÊ
POR CIMA DE MIM,
POR MIM, EM MIM VOCÊ...
MEDO PERSISTENTE
E MESMO ASSIM EU QUIS TE VER
SORRINDO PRA MIM
POR MIM, EM MIM VOCÊ
POR CADA MOVIMENTO TEMPO
CONTRA TEMPO
POR CADA MOMENTO
p/ meu amado...

Postado por BONA AKOTIRENE
Arranjo Fotográfico de Carla Freire

AUSÊNCIA


AUSÊNCIA

SOU O TEU AMADO ETERNA CRIANÇA
AMANTE TRISTONHO DO TEU SONHO LIVRE
SERÁ QUE APENAS FOI SÓ UMA MIRAGEM
NESSE MEU SAHARA QUE UM DIA TIVE
SEI DEBALDE O ESPINHO DESSA TUA AUSÊNCIA
NEM AS MIL CLEMÊNCIAS ESSA DOR ME CURA
TENTO ME ENGANAR FALANDO ESPERANÇA
VIVO NESSA ÂNSIA ATÉ QUE ISSO DURE
ESSE AMOR TÃO FORTE QUE AGORA ME PUNE
FICO INCONTIDO DE SONHOS CALADOS
MESMO QUEIRA EU QUEBRAR ESSES QUEIXUMES
DESTA ORDEM CRUA QUEBRAR SEU LIMITES
QUEIMA O ABSURDO DESSA TUA FALTA
MEUS BRAÇOS ABRAÇAM A VAZIA SORTE
AS LEMBRANÇAS FOGEM DESSA MINHA FALTA
PARTO PRA VIAGEM Ou QUEM SABE A MORTE

Euripedes Gomes/Paraíba
Foto de Carla Freire/Portugal

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Bruxinha Danada


BRUXINHA DANADA

BIXA DANADA DE RIM
GOTA SERENA DA MULESTA
VEIO ME CHAMOU PRA FESTA
DIZ ELA “ CELEBRA A VIDA”
ME CEGO CUM UM FEITIÇO
DESCEU PELA CUMIERA
E ROBOU MEU CORAÇÃO
E FEZ A FESTA
O DESMANTELO
ME ENGANOU
FEITO NOVELO
A DESENXAVIDA
ME FEZ SENTAR EM FORMIGUEIRO
COMEU DA MINHA FARINHA
CACHORRA SE FEZ RAINHA
DISSE “SOU TUA AMOR”!
ACREDITEI NA CABRITA
ME LASQUEI
TOREI A FITA
HOJE NÃO SONHO MAIS
QUEM HAVERIA DE SABER
QUE ESSA PRENDA
SÓ QUERIA FAZER RENDA
COM MINHAS TRIPAS
E AGORA
NEM CONSIGO CHORA
ELA LEVOU MEU CHORO
E DISSE
EU VOU VORTA
E EU BURRO
ACREDITEI
AGORA
FICO SÓ
A VER NÁVIOS

Poema de Euripedes Gomes/Brasil
Foto de Carla Freire/Portugal

COLORES


COLORES

Ponha suas cores em mim
Podem vir misturadas
Já tocadas e abertas
Mas, ponha suas cores em mim
Podem estar um tanto secas pelo tempo
Sei como deixar os pigmentos dançarem
Mas, ponha suas cores em mim
É provavel que sejamos capazes de juntos dar vida nova as paredes
Cores novas a suas bochechas
Um sorriso na capa do seu diário
Um bom dia aos cogumelos do jardim
Um durma bem colorindo seu teto
Mas, ponha suas cores em mim!

Trecho de " Um conto que não contei em 2001"

Milena Medeiros...
João Pessoa/Paraíba
Foto de Carla Freire/Portugal

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Se TU viesses ver-me


Se tu viesses ver-me...
Florbela Espanca

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Foto de E.G.F
Paraíba/Brasil

DESCOBERTO



Da terra eu sei
Pisei em espinhos
Sarei

Do céu lembrei
Curei com carinhos
Pulsei

Firme e forte
Como Santa Cruz
Cabral

Longe e perto
Clara, farta, luz
Portugal

Terra Brasilis
Céu de anil
Descoberto Brasil

Jorge Dersu
Sampa 25 fev 10


Foto de Carla Freire
Paraíba,Fev.2010

Há palavras que nos beijam


Há palavras que nos beijam
Alexandre O'Neill

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Foto de Carla Freire

Noutros TEMPOS


(Barbeiro em Vale de Cambra-déc 40)
Foto de Manuel Tavares de Sousa

Provérbios


"Falar amávelmente, não fere a lingua"!!
(provérbio Índio)

FRUTAS de um TEMPO


FRUTAS de um TEMPO

Pitanga abre esse tempo vil
Vai buscar ave que se partiu
Perdeu seu rumo a vida sã
Em mil pedaços, sede feroz
Cumpriu a sina, nunca existir aqui

Caminho de casa era uma luz
Na terra infância quintais azuis
Pitangueiras doces grinaldas vãs
Frutos saborosos , sonhos febris

A tua boca não mais terá
um gosto verde
Pois o sol, sua estrada
Lembranças não mais dominam
Hoje teus olhos
Não deixe se perder tuas lágrimas
Teu fruto temporão, o riso
Desfruta das pequenas coisas
Eternas matrizes da vida

Poema de Euripedes Gomes/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire/Portugal

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Nos amaremos!


Nos amaremos!

Nos amaremos
a brindar o dia,
assim teus olhos,
amanhecerão os meus

Nos amaremos
no entardecer sem pressa,
assim a noite,
nos agasalhará em suas nuvens.

Nos encontraremos
nos jardins de nossos desejos
e entre os meus e os teus beijos,
nascerão estrelas...

Nos abrigaremos um no outro,
para que o amor
seja recebido em paz...

Seremos um,
na ilusão desta passagem de tempo.

Nos amaremos,
tão somente porque o amor,
não é instante, nem passado,
nem presente, nem futuro...

Nos amaremos,
mesmo depois, mesmo agora,
mesmo quando acabarem as horas...

Nos amaremos,
sem razão ou sentido...

Eurídice Hespanhol
Foto de Carla Freire

Roteiro de criança


Roteiro de criança

para toda menina puladora
há um passo gigante
correndo sobre pensamentos singulares
na mente de Lewis Carrol
onde o gato de Alice se perde no riso
e a sorte é sempre a oferta melhor
que a intenção da estória

para toda mulher sonhadora
há um traço triunfante
movendo pensamentos irregulares
na sua mente leve de farol
onde de fato a vida só vale se correr risco
e o norte será sempre uma estrada maior
que a construção da história

Sandoval Fagundes , domingo, 21 de fevereiro de 2010
Foto de Euripedes Gomes

MAR ADOLESCENTE


MAR ADOLESCENTE
Valquíria Lins

Adolesci-me
Vendo um mar
Que não me cabia
Suas espumas:
O melhor champanhe
A minha mensagem:
Garrafa vazia

E assim cuidei
De esvaziar esse mar
Onde minha prancha
E minha lancha
Eram câmaras
De pneus recauchutados
Que queriam atingir
O limite
Ver o que existe
Além da linha
Verde-azul do mar

Adolesci-me
Esvaziando o mar.

Fotografia:Carla Freire

MAR


Meu namorado tem
mãos de pianista
pés de andarilho
O som que vem dele,
encanta à todos

Meu namorado
beija que é
uma loucura
e nos seus lábios
tem mel, mas quando
ele se ausenta, é que
tá semeando flores
Meu namorado é mar


Riso Maria Dersu

Fotografia: Carla Freire

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

HUMOR

Flores da Paraíba


Foto de Carla Freire

Amigos e suas ......ARTES


o trator e a flor
De: Carlos Antônio (Totonho)


Estava no mesmo lugar
Quando alguém veio mandar
Para a flor se retirar
Que era para o trator passar

Alguém se pôs a chorar
Para o trator na passar por sobre a flor
E choveu
Começou a atolar o trator nem se mexia
Do lugar

E a água
Fortaleceu a raiz, mesmo o alguém que quis
Tirar ela do lugar
Fraquejou, e arranjou um beija flor
Com quem aprendeu beijar
Depois vendeu o trator

Foto de Cristovam Tadeu
(na foto Carla Freire e Totonho)

AMIGO


Procura-se um amigo

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.

Autor:Vinicius de Moraes
Caricatura de Adam Rabello Dias

A PRENDA


Cartoon de Menekse Can

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

A nossa Casa



A nossa casa, Amor, a nossa casa!
Onte está ela, Amor, que não a vejo?
Na minha doida fantasia em brasa
Costrói-a, num instante, o meu desejo!

Onde está ela, Amor, a nossa casa,
O bem que neste mundo mais invejo?
O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa?

Sonho... que eu e tu, dois pobrezinhos,
Andamos de mãos dadas, nos caminhos
Duma terra de rosas, num jadim,

Num país de ilusão que nunca vi...
E que eu moro - tão bom! - dentro de ti
E tu, ó meu Amor, dentro de mim...

Florbela Espanca/Portugal
Foto de Carla Freire

Vamos fluir toda beleza


Vamos fluir toda beleza
que possa existir em cada indivíduo.
São tantas!Parte do lixo humano
insiste em chantagear, excluir,
desajustar, promover números
para que se chegue ao primeiro lugar da fila.
A hipocrisia não me afeta.
Vejo o todo do lado.
Estou na balsa, espreitando,
liberando, respeitando o que vem de mim.


Riso Maria Dersu/S.Paulo/Brasil
Foto de Carla Freire

Maracatu fora de época


Maracatu fora de época

perguntaram onde esta meu carnaval
eu me pergunto, onde estão sua esferas?
pois já não sei onde vai dar minha loucura
qual diadema aponta a minha namorada
ontem pensava nesta estrada reta e fria
hoje acredito que a vida são quimeras

perguntaram se eu tenho algum juízo
eu já caduco perguntei a madrugada
quem dissipou teus cabelos de água e fogo?
pois transformei solidão em fantasia
ontem meu feto ainda vivo nas paredes
hoje viver na utopia é a única morada


Sandoval Fagundes, João Pessoa, 22 de fevereiro de 2010
Foto de Carla Freire

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Amigos e suas......ARTES


POEMINHA LÚDICO



SOU EU QUEM PARA O AMOR ABRE A PORTA
E A MESMA QUE SE FECHA NA VIDA
QUATRO VEZES ASSIM ALMA MORTA
NO PRINCÍPIO E NO FIM ATREVIDA

SOU COMEÇO E O MEIO DA ESTEIRA
NA SAUDADE EU SÓ CHEGO NO FIM
APAREÇO NO CENTRO DA SOLEIRA
E NAS FEBRES SOU GÊMEA DE MIM

NA IGREJA SOU O PRIMEIRO DEGRAU
SOU O QUARTO MEMBRO DO SACI
DO COLIBRI EU SOU O ÚLTIMO SINAL
E A CAUDA DE UM BEM- TE- VI

EU VENHO TRÊS VEZES NO OUTONO
NO INVERNO UMA VEZ ME VERÃO
OUTRAS DUAS ESTAREI NO TEU SONO
E MAIS TRÊS, NO VÔO DA PAIXÃO

SOU O SOM DA VAIA ALGAZARRA
BEM NO MEIO, INSTALADA NA ESQUINA
A CABEÇA O CORPO E AS GARRAS
DE UMA NEGRA AVE DE RAPINA

PAULO VINICIUS/Brasil

Foto de Carla Freire/Portugal




(WWWW.MYSPACE.COM/PAULOVINICIUSCABRAL)

Contos Indígenas do Brasil



O Jabuti e o Jacaré

O jabuti havia feito uma flauta do osso da canela de uma
onça, costumava toca-la e todos os animais o invejavam, em certa feita o jacaré
muito invejoso pediu a flauta emprestada ao jabuti, este de bom grado a
emprestou.
Assim que a teve em mãos o jacaré pulou na água e sumiu, o
que deixou o Jabuti furioso, por varias vezes pediu de volta sua flauta, mas o
jacaré não há devolvia.
Foi então que o jabuti teve uma idéia, foi até a mata pegou
uma colméia engoliu todas as abelhas que lá moravam e se dirigiu a margem do
rio em que o jacaré vivia virando-se de bumbum para cima lambuzou-se de mel e
ficou aguardando.
O jacaré pensando que aquilo fosse uma colméia enfiou o
dedo, neste momento o jabuti começou a apertar o dedo do jacaré e lê avisou só
largo quando devolveres minha flauta o outro gritava ao filho que estava longe
para que trouxesse a flauta do jabuti, mas o filho não entendia.
Depois de muito tempo o filho do jacaré trouxe a flauta que
foi devolvida ao jabuti, o jacaré quase quebrou o dedo, mas aprendeu a lição.

Foto de Carla Freire
(Parque da Bica/João Pessoa/Brasil)

ARARA



Arara-canindé,
cuidado com o José!
É melhor você dar no pé!
o bicho homem , você já sabe como é !

Foto de Carla Freire
(Parque da Bica/João Pessoa/Brasil)

Vôo da Garça


Vôo da Garça

Voa,
Asa solta e vento
voa
peito leve e alma
boa
beijo à solta
e o coração não cobra
nem que grande parte disto
doa
eu sei que nada destoa
entre o que em mim ecoa
e a vontade de te amar

voa
ensaia o vôo da garça
porque a altura não disfarça
no vazio o tempo sobra
e descobres que o amor é uma obra
construida a quatro mãos
sem ter linha de metade
nem lugar de exposição

o vôo é largo
é longa a rota
quando é amargo um beijo adoça
e um abraço reconforta
descemos sempre à nossa porta

voa
no amor o tempo
voa
para nós nunca se escoa
não é breve nem demora
voa
livre e como livre
não se cansa
não tem ontem nem agora
não tem cá dentro ou lá fora
haverá quem voe assim?

Luis Represas/Portugal
Foto de Carla Freire

Amigos e suas ......ARTES


ÁS VEZES

ÀS VEZES QUANDO PERDEMOS GANHAMOS
QUANDO GANHAMOS PERDEMOS NO ATO
É UM FATO
PERDEMOS QUANDO TEMOS
GANHAMOS QUANDO NÃO
EIS A QUESTÃO
A IMPOSSIBILIDADE INEXISTE
VI VOCÊ AQUI E NÃO FOI SONHO
PERDI O CONTATO FÍSICO
MAS GANHEI A SAUDADE
É TRISTE, INEVITAMELMENTE
FOI-SE A SIMPLICIDADE DO SORRISO
TOQUEI A POSSIBILIDADE
QUANDO A SENTI FOI EXTRAORDINÁRIO
UM RELICÁRIO VIVO
PRECISO E DIRETO
CONCRETO
INTEIRO
INEXPLICAVELMENTE SIMPLES
VOOU E LEVOU-ME UM PEDAÇO
O CORAÇÃO DO MEU PEITO
RECEBEU EM DOIS PEDAÇOS

Autor:Euripedes Gomes Filho
João Pessoa/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire

sábado, 20 de fevereiro de 2010

INEVITÁVEL SER


INEVITÁVEL SER
Irei amar além da simples vida
meu querido alento
Ora!
Já a sentia dantes saber-te neste raso mundo
Conheço hoje que os sonhos desrespeitam o tempo
Respiro agora lembranças teu sorriso imenso e fecundo
Nossas quimeras têm conteúdo, esse ar é evidência
Sinto-te eterna e terna embora de toque distante
Tal qual espíritos irmãos sintonizados nessa existência

Onde grinaldas e pitangas enfeitam minha dor amante
Fêmea que brota flores e germina meus inatos amores
Com deliciosos beijos sabores loucos de tropicais frutos
Em fotos nuas, nós animais multicoloridos pecadores
Fortalecendo meus ossos abrindo meu olhar inculto
Terminando as minhas frases e eu as tuas, pura apatia
Entre outros acordes nossa afinação parece um mito

Euripedes Gomes/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire/Portugal

Saudade



Ainda aqui
o seu pensar está
sem estar em corpo
em areia, em céu, em sol
em mar
Ainda assim
estar é lembrar
que esteve e ficou

Saudade

Com amor!
Jorge Dersu /S.Paulo/Brasil
Foto de Carla Freire

Amigas e suas.......ARTES


Safo desterritorializada

Meus passos são largos
Transpiro a quimera.
Danço com Deuses, homens e mitos
Não nasci para os confins desta terra.
Minha única semelhança é a distância.

Para as faces, hora sou
Mendiga, hora sou Infanta.
Mas no sussurro da vida,
E na delicadeza que arde
Sou a verdade entre os disfarces
Das classes.

Minha herança é filha da história
E o meu mérito, pai do infinito.
Além de qualquer ilha
Sou a sólida cria flutuante.
Trago comigo
Os mistérios de Sírius
No embalo dos prazeres da quântica.

Nasci pelas individualidades metamorfoses
Que celebram as nuances e estranham os uniformes.
Meu verso existe pelo átomo
E por isso declamo o universo.

Sou o vendaval que tem
Como mãe a temperança.
E hoje venho trazer a primavera
Que grita pela sede Atlântica.

Autora:Eunice Boreau/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire

Vida Já


vida já

Por um momento
Meu presente foi passado,
Mas bastou apenas um passo
Pra que no ato eu desse um salto
e transformasse o futuro em um fato.

Eunice Boreau/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire
Vista da cidade antiga de João Pessoa/Brasil

HUMOR


Cartoon de FERNANDES

INSPIRADO


INSPIRADO
Posted: Thu, 31 Dec 2009 02:36:22 +0000



Se não escrevo

Eu esqueço depois

Inspirado penso

Em escrever o que chega

Um hálito

Um hábito

Habito um quarto

Simples

Envolto aos pensamentos

Em bons momentos

Um cálido

Um pálido

Jorge Dersu/S.Paulo/Brasil
vejam tudo sobre Jorge Dersu em
http://www.jorgematheus.mus.br/
Foto de Carla Freire/João Pessoa/Brasil

Ai PARAÍBA



da minha família
dos meus amigos
ai Paraíba
terra boa
pro mundo desnudo
as tuas praias
são nossas praias
sempre sol
suave quando chove
quem te viu um dia
não esquecerá jamais !

Riso Maria Dersu

Na foto:Carla Freire
por Euripedes Gomes

Sampa, 20/02/10

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Explosões de Prazer


A água bate
no meu corpo
branco nú
sobre teu olhar
de infinitos desejos

A água escorre
no teu corpo negro nú
sobre meu olhar
de infinitos desejos

A água lava
nossos corpos
juntos nús
em explosões de prazer

Riso Maria Dersu
Postado por OBRA DE MERDA
Foto de Carla Freire

Ladrão



O rei se despachou
deitou na cama
o violão e disse
toco à tua mão
Escreveu uma canção
Na tua casa
esperei deitada
Você chegou e disse
tá linda linda linda
foi madrugada inteira
inteira inteira inteira
Você veio d'água
tirou as minhas roupas
e me deixou pelada
ladra ladrão Adão


Riso Maria Dersu
S,Paulo/Brasil
Foto de Carla Freire

Vou-Me


VOU-ME






Você já é nome de senha

Canção que não se apaga mais

Dor que não tem volta

Cor que não desbota

Cheiro que não tem fim

Você é gelo preciso

Estagnado em mim

Quando brincou

Afrouxou as cordas

Estou fazendo laços

Dando nós em azoís



Riso Maria Dersu
S.Paulo/Brasil
Foto de Carla Freire/Brasil

Acácia Amarela


Acácia Amarela
Luíz Gonzaga
Composição: Luiz Gonzaga e Orlando Silveira

Ela é tão linda é tão bela
Aquela acácia amarela
Que a minha casa tem
Aquela casa direita
Que é tão justa e perfeita
Onde eu me sinto tão bem

Sou um feliz operário
Onde aumento de salário
Não tem luta nem discórdia
Ali o mal é submerso
E o Grande Arquiteto do Universo
É harmonia, é concórdia
É harmonia, é concórdia".

Foto de Carla Freire

Poema Crioulo


Poema Crioulo

Nha tera, nha sentimento
Nha papiamento, nha dóxi cau
Oh, nha bida, dj'u sabi, ma n'qrê torna flau
Ma n'ta amau, y nôs passado cata squecedo
Ai, sodade bô, ai, speransa
D'in torna odjau
La di riba na horizónti
Riba mónti
N'qrê canta na bo caminho
N'qrê badja, co tudo carinho
Di bo morabéza, ó, mai


Minha terra, meu sentimento
Minha fala, meu doce lugar
Oh, minha vida, já sabes, mas quero voltar a dizer-te
Que eu te amo, e o nosso passado não é esquecido
Ai, que saudades tuas, ai, esperança
De voltar a ver-te
Lá em cima no horizonte
Em cima do monte
Quero cantar no teu caminho
Quero dançar com todo o carinho
De teus braços abertos, ó mãe.

Autor:Otávio, Brasil
email: okremer@nutecnet.com.br
Foto de Carla Freire

Côco LOUCO


Bar do Zézinho
Barra de Gramame/Paraíba/Brasil
Foto de Carla Freire

Ai PARAÍBA



Em apenas duas cidades, Conde e Pitimbu, você encontra diversidade de sobra. Praia semideserta, cercada por falésias, à beira de um rio ou reservada para o naturismo. Se quiser um conselho, não deixe de visitar Coqueirinho, com piscina natural colada na areia, e Tabatinga, onde o Rio Bucatul forma uma deliciosa prainha doce em seu caminho para o mar.

COQUEIRINHO
Outra parada obrigatória deve ser feita em Coqueirinho, que e é considerada um dos mais agradáveis banhos de mar da costa paraibana. A piscina natural que se forma bem perto da areia - perfeita para crianças - e o largo cânion com falésias coloridas estão entre as principais atrações. Só não espere ter essa maravilha só para você. Coqueirinho é muito disputada nos fins de semana e concentra boa parte do agito na região. Os coqueirais que deram nome à praia se exibem, majestosos, na paisagem.

Fotos de Carla Freire
e Euripedes Gomes

Ai PARAÍBA



TABATINGA
Vizinha de Coqueirinho e sua principal concorrente, Tabatinga oferece a oportunidade de intercalar banhos de mar e de água doce indeterminadamente. Tudo isso por causa do chamado Maceió de Tabatinga, formado pelo natural caminhar do Rio Bucatul na direção do oceano. Em boa parte do tempo, ambos ficam divididos por uma estreita e contínua faixa de areia, perfeita para deixar seu guarda sol. E lembre-se: o maceió é área de preservação permanente. Tabatinga tem também a melhor infraestrutura de restaurantes da região.

Fotos de Carla Freire e Euripedes Gomes

Ai PARAÍBA



BARRA DE GRAMAME
Partindo de João Pessoa, pare primeiro na Barra de Gramame, incrustada numa reserva ecológica. O acesso até ali é bem sinalizado, mas um pouco esburacado e difícil. Casas de veraneio são raras e não há pousadas na região, que tem como habitués pescadores e praticantes de windsurfe. Por conta de um braço que avança mar adentro - a barra que dá nome à praia - o desenho da faixa de areia muda o tempo todo, ao sabor das ondas.

Pequeno e emoldurado por coqueiros, o trecho pode ser percorrido de ponta a ponta em meia hora. Para descansar, as barraquinhas instalam redes e servem a especialidade local, tão simples quanto deliciosa: abacaxi bem gelado cortado ao meio com raspas de limão.

Na Barraca do Zezinho, a delícia sai por R$ 3. Ali você pode ainda conhecer o guaiamum Robocop, um caranguejo que, jura o próprio Zezinho, é domesticado e permite que os turistas o peguem na mão para fotos, sem morder ninguém.
Texto em:
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2010/02/18/perto+da+capital+conde+e+pitimbu+reservam+paisagens+deslumbrantes+9401779.html

Fotos de Carla Freire e Euripedes Gomes

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Paixão


Foto de Carla Freire/João Pessoa
Paraíba/Brasil

Anjo Azul


Quem informa é a jornalista Ednamay Cirilo: o Anjo Azul, bloco que abre o projeto Folia de Rua desde a criação em 14 de fevereiro de 1994, continua com o mesmo percurso. A saída será às 21;00hs , no próximo dia 5 de fevereiro, ao pé da Escadaria do Beco da Faculdade e segue pelo Centro Histórico , Gal Osorio, Praça Dom Ulrico, Ladeira da Borborema, Rua da Areia até a Praça Antenor Navarro, ao som do MARACATU RURAL, retornando pela Rua da Areia e se dispersando na Igreja da Misericórdia às 23:00hs.

Concentração no BECO 16:00HS
Estandarte do Anjo Azul 2010
Obra de Fred Svendson/João Pessoa/Brasil